terça-feira, 1 de março de 2016

A corrupção nos Estados Unidos é pior do que no Brasil, afirma Henry Mintzberg


Confira a entrevista concedida por Henry Mintzberg ao DCM:

O que você acha da Operação Lava Jato? Ela está fazendo um bom trabalho? A presidência de Dilma Rousseff está prejudicada de maneira irreversível?

Não sou capaz de julgar judicialmente as ações, mas vocês no Brasil ao menos estão processando os acusados. Nos Estados Unidos, o financiamento privado de campanhas está dentro da lei. Todos podem doar para campanhas políticas. Já no país de vocês, a Suprema Corte diz que isso não pode acontecer e que as fontes precisam ser investigadas. Vocês ao menos estão lidando com isso, mas eu sou incapaz de avaliar os efeitos imediatos.

Eu comparei a corrupção entre americanos e brasileiros e acho que os EUA são piores nisso. A corrupção nos Estados Unidos é pior do que no Brasil, porque lá ela é legal.

As investigações da Lava Jato e os casos de corrupção não contribuem para acentuar a crise econômica brasileira?

São muitos fatores que afetam o Brasil e sua economia, sendo alguns deles de fora do país. Temos o preço do petróleo, a depreciação das commodities e tudo isso afeta tanto quanto os problemas das empresas envolvidas nas investigações.

Governos populares não são mais visados em investigações do que os conservadores?

Todos os governos envolvidos em investigações ficam em apuros, mas você quer saber uma coisa? O Brasil ainda tem problemas de desigualdades piores do que muitos países, mas vocês estão melhorando no combate a estes problemas, que são muito sérios. A desigualdade está diminuindo para os brasileiros e está aumentando em outras nações. Ao menos os brasileiros estão lidando com uma questão séria.

Lindando contra a desigualdade econômica também?

As desigualdades para vocês estão ficando menores, sim. No caso dos americanos, isso está piorando muito.

Você pode citar exemplos de como isso aumenta hoje nos Estados Unidos?


A economia americana é vigorosa por conta de seu empreendedorismo robusto. Eles têm todo o tipo de novas empresas agressivas, do Google até a Amazon. Mas a sociedade dos EUA está com um grande problema, embora os índices econômicos não estejam tão mal.

Qual é o problema deles, em sua opinião? É com as minorias e com a recepção de pessoas de fora do país?

Eles realmente têm muitas complicações. Desde o sistema penitenciário, que aprisiona muito e injustamente, até o uso intenso de drogas, o boom de pessoas obesas… A sociedade americana hoje está mal formatada.

Políticos de sociedades como a Suécia, Finlândia e outros países da Escandinávia podem ser um exemplo para o Brasil e para os EUA ou estão muito distantes?

Acho que podem ser um exemplo para o resto do mundo, mas também acho que o Brasil pode inspirar outros países. Os brasileiros tem o terceiro setor, formado por ONGs e organizações mistas entre público e privado, mais vigoroso que eu tenho conhecimento. Isso pode ser exemplar globalmente.

Eu falo disso pelo sucesso de iniciativas como o Bolsa Família. Falo de economia participativa em Porto Alegre e das oportunidades que vocês ainda têm com o etanol. Todas essas coisas não são encontráveis em muitos outros países.

E, além do etanol, temos o pré-sal, não é?

Há muitas coisas boas no Brasil e o petróleo de vocês é muito importante. As economias escandinavas que você me listou são as mais democráticas do mundo, mas quer saber uma coisa? Elas são todas pequenas. Todos os cinco países da Escandinávia e a Suíça estão no topo dos rankings de democracia e, depois deles, a primeira nação grande que aparece é o Canadá. É a sexta maior. A relação é desigual neste aspecto.

Você falou que visitará Marina Silva no Brasil durante o dia 3 de março. O que você sabe da campanha dela em 2014? Vão discutir sobre ecologia e energias renováveis?

Não sei muito sobre política brasileira e seus detalhes, mas ela quer conversar comigo sobre seu movimento e eu quero ouvi-la.

Você gostaria de falar algo aos brasileiros neste momento de crise econômica, com desemprego subindo e problemas empresariais?

Acho que o Brasil deveria dar um passo para trás, observar e entender que existem sim coisas maravilhosas acontecendo no país de vocês.

Somos então muito pessimistas com a sociedade que temos hoje?

Vocês são bastante pessimistas, sim. Por todos estes motivos que conversamos, o Brasil é o país mais interessante para mim neste momento.
A corrupção nos Estados Unidos é pior do que no Brasil, afirma Henry Mintzberg
4 / 5
Oleh