quarta-feira, 18 de maio de 2016

AMOSTRA DO GOVERNO TEMER - Comércio argentino já vende verduras a prazo


El País - O comércio de bairro da Argentina começa a sentir o golpe da crise. Os varejistas enfrentam um inimigo com três caras: o aumento das próprias tarifas de serviços públicos e a elevação dos preços no atacado, a queda do consumo e, em alguns casos, o pagamento de reajustes salariais definidos há um mês. Por isso passaram a recorrer à criatividade, como fazem seus clientes, para chegar no fim do mês sem perder muito dinheiro.

A carne figura entre os produtos que mais encareceram nos últimos meses, a ponto de um relatório da Câmara da Indústria e Comércio de Carnes (Ciccra) constatar que seu consumo caiu ao nível mais baixo em quatro anos. No primeiro quadrimestre de 2015 o retrocesso é de 5,2% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Nos primeiros quatro meses do ano foram consumidos 56,2 quilos por habitante enquanto entre janeiro e abril do ano passado a marca foi de 59,4 quilos.

Segundo a Ciccra, a maioria dos cortes registrou aumentos que oscilam entre 1% e 5,5%, embora existam seis cortes populares que se mantiveram. “As pessoas estão comprando menos, o necessário para o dia, e levam cortes mais econômicos. Antes compravam lagarto para o refogado e agora o fazem com agulha ou paleta, que são mais baratas”, indicou Alberto Williams, vice-presidente da Associação de Proprietário de Açougues da Capital Federal.

Mas a criatividade argentina sempre encontra uma saída. A rede de supermercados Supermax oferece pequenos cortes de carne que não superam os 100 gramas, em um país no qual para calcular uma refeição se estima um mínimo de 500 gramas por pessoa.

Carlos Irigoyen, presidente da rede, explicou a EL PAÍS que a ideia tem 13 anos, e surgiu em resposta a outra crise. “A rede de supermercados começou em plena crise 2001-2002 e teve de aguçar a criatividade para que as pessoas pudessem comprar com o que tinham no bolso. Nesta oportunidade vimos que novamente tínhamos que voltar ao meio de comunicação que implementamos naquele momento”, argumentou.

“As compras estão indo mal, há um aumento de custos fixos muito importante. Em volumes temos uma queda significativa, de 12%”, acrescentou. “Na carne, especificamente, ainda mais porque teve aumentos muito fortes, acima de 30% no ano passado e neste quadrimestre outros 25%. Esta comunicação não eleva o volume de compras, mas faz com que o cliente possa continuar pedindo sem corar. As pessoas têm mesmo que comer todos os dias, mas hoje se dão conta de que começam a proliferar nos carrinhos as segundas ou terceiras marcas”.

Mais perto do Obelisco, num bairro de Buenos Aires, uma quitanda começou a vender mercadoria a prazo, em até 3 vezes, sem juros. Além disso, durante os sábados há importantes descontos se a compra for com cartão de débito ou crédito.

Sergio nunca está livre para poder conversar. A quitanda que acaba de abrir em Villa Crespo está lotada de moradores das imediações que começaram a se aproximar ao ler na lousa uma oferta irresistível: “com todos os cartões de crédito, 3 parcelas sem juros”. A compra a prazo é uma tradição na Argentina, mas não é comum em aquisições tão pequenas, como as que podem ser feitas numa quitanda. No entanto, a crise obriga a saber se virar.

“Isto é para que as pessoas tenham uma possibilidade a mais se não contam com dinheiro”, compadeceu-se Sergio. “Começamos com isso há dois meses. A receptividade das pessoas tem sido excelente. Não aumentamos os preços para baixar com descontos. É o mesmo preço. Somos produtores e destinatários finais de hortaliças, então podemos vendê-la com mais economia”, contou.

Se há salada (a pagar) e, pelo menos, um pouco de carne, não pode faltar o pão. Mesmo que para não pagar muito por ele seja preciso esperar alguns dias. Raúl Santo André, vice-presidente da Federação Industrial de Panificadoras da Província de Buenos Aires (FIP), confirmou um aumento de 20% no preço do pão.

“O pão foi para 40 pesos o quilo (9,5 reais), e isso por causa da alta nos serviços, sobretudo água, gás e luz. Também temos 12% de aumento salarial este mês (de um total anual de 34% a pagar em parcelas). Por isso foi necessário mexer no preço, de outro modo seria preciso fechar fábricas”, justificou Santo André. A FIP abarca um total de 8.500 padarias nas quais trabalham cerca de 40.000 pessoas.

Apesar de a indústria ter de enfrentar novos compromissos salariais, Santo André acredita que não será necessário voltar a elevar o preço do pão durante 2016. “Estamos trabalhando com a Secretaria de Comércio da Nação e nos próximos dias estaremos assinando um acordo para reduzir o preço, transferindo algum lucro ao Governo. É uma forma de colaborar porque não queremos que falte pão em nenhuma mesa.” Ao que parece, a receita oficial continuará sendo aquela que provocou tantas críticas ao kirchnerismo: subsidiar a produção para que os bolsos dos cidadãos não continuem mais magros.
AMOSTRA DO GOVERNO TEMER - Comércio argentino já vende verduras a prazo
4 / 5
Oleh