sexta-feira, 24 de junho de 2016

DEMÔNIO: Ação ilegal de Sérgio Toro deixou Gleisi Hoffmann abalada


Um dia após a prisão de seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) não comparecerá à comissão especial do impeachment no Senado. Uma das principais defensoras da presidente afastada Dilma Rousseff no colegiado, a petista também não esteve presente na reunião de ontem.

De acordo com pessoas próximas à senadora, ela ainda está abalada com a ação da Polícia Federal que, além de prender Paulo Bernardo, também cumpriu ordem de busca e apreensão no apartamento funcional da senadora, onde ela estava com a família no momento da operação nesta quinta.

Gleisi optou por ficar em casa com seus filhos adolescentes e para receber o advogado da família. Ainda segundo aliados da petista, ela deverá retomar os trabalhos normalmente na próxima semana.

Com isso, a petista acabou não participando de nenhuma reunião da comissão nesta semana –entre segunda e quarta, ela compareceu à 39º Reunião do Parlamento do Mercosul, em Montevidéu, no Uruguai.

Paulo Bernardo foi preso pela Polícia Federal na manhã desta quinta, em Brasília, pela Operação Custo Brasil, que investiga um esquema de corrupção supostamente usado para abastecer o caixa do PT.

Ex-ministro dos governos Lula e Dilma, ele foi preso preventivamente, suspeito de ter se beneficiado de R$ 7 milhões em propina. O valor teria sido recebido por escritório de advocacia ligado ao petista.

Ele foi levado para a sede da PF em São Paulo, que centraliza a investigação, um desdobramento da Lava Jato. Esta é a primeira vez que um ex-ministro de Dilma é preso no âmbito da operação.

Em nota divulgada ontem, Gleisi disse que a operação Custo Brasil, que levou à prisão de seu marido, foi realizada pela Polícia Federal para o "desvio de foco da opinião pública deste governo claramente envolvido em desvios", em alusão ao presidente interino Michel Temer.

Leia mais na Folha
DEMÔNIO: Ação ilegal de Sérgio Toro deixou Gleisi Hoffmann abalada
4 / 5
Oleh