sexta-feira, 3 de junho de 2016

PGR: Dilma Rousseff não foi adequadamente informada do conteúdo do contrato de Passadena


A mídia "porca" insiste em envolver Dilma Rousseff na compra da refinaria de Passadena.

**

Procurador-Geral da República reconheceu, ao examinar a resposta encaminhada pela Presidenta, que o Conselho “não foi adequadamente informado acerca do conteúdo do contrato, pois os mencionados documentos indicavam a regularidade da instrução do feito, inclusive no tocante ao preço, justificado na análise satisfatória de renomada empresa do mercado financeiro”. 

“Ainda que esteja diante de uma avença mal sucedida e que importou, aparentemente, em prejuízos à companhia, não é possível imputar o cometimento de delito de nenhuma espécie aos membros do Conselho de Administração, mormente quando comprovado que todas as etapas e procedimentos referentes ao perfazimento do negócio foram seguidos”, avaliou Rodrigo Janot. 

Ele disse, ainda, que as informações prestadas pela Presidência da República, “afastam a acusação de conduta dolosa ou culposa que possa ser atribuída ao Conselho de Administração da Petrobras de ter dado causa aos prejuízos advindos da referida operação, sendo desnecessário o prosseguimento da instrução”. 

Janot destacou, no entanto, que “salta aos olhos que as mencionadas cláusulas contratuais, que impunham obrigações de grande monta para a 8 Petrobrás tenham sido omitidas do Resumo Executivo e da apresentação realizada para o Conselho de Administração” e que o caso seguirá sob apuração nos “órgãos de controle competentes”.

Assessoria de Imprensa
Presidenta Dilma Rousseff
PGR: Dilma Rousseff não foi adequadamente informada do conteúdo do contrato de Passadena
4 / 5
Oleh